Notícias

Petrobras fecha venda de Liquigás ao Ultra

17 de novembro de 2016


Por Ivo Ribeiro o Stella

Após meses de negociações, a Petrobras concluiu o acordo de venda da Liquigás, distribuidora de gás liquefeito de petróleo (GLP), para o grupo Ultra, que é dono da concorrente Ultragaz, apurou o Valor. Em meados do mês passado, as empresas confirmaram que estavam em negociações avançadas. Procuradas, informaram que não se pronunciaram sobre o assunto.

A expectativa mais recente era a de que o negócio fosse anunciado até o fim de novembro, uma vez que ainda não havia definição sobre o preço do ativo. Segundo fontes, o valor da operação -importante na nova estratégia da estatal – deve ficar entre RS 2,5 bilhões e R$ 3 bilhões.

A venda da Liquigás faz parte do plano da companhia de alienar US$ 15,1 bilhões em ativos entre 2015-2016. Até agora já foram anunciados US$ 9,bilhões.

Na sexta-feira, o presidente da Ultrapar, Thilo Mannhardt, disse em encontro com investidores que não poderia falar em prazos para fechamento do negócio, uma vez que havia duas partes [Petrobras e Ultra] envolvidas na operação. Mas ressaltou que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cada) será o regente da transação, caso ela seja efetivada. “A Liquigás vai demandar atenção do Cade”, observou.
A distribuidora de gás de cozinha da Petrobras é a segunda maior desse mercado, com participação de 22,6%, ligeiramente atrás da líder Ultragaz, com pouco mais de 23%. Vários grupos candidataram-se ao ativo, entre os quais a holandesa SHV (Supergasbras), Gávea Investimentos, Aygaz (da Turquia) e um consórcio formado por Nacional Gás e Copagaz. Em agosto, foram selecionadas três propostas, uma delas da Ultrapar.

A compra da Liquigás será mais um grande negócio fechado pelo grupo brasileiro neste ano. Em junho, a Ultrapar anunciou a aquisição do controle da Alesat, concorrente da sua controlada Ipiranga no negócio de distribuição de combustíveis, por RS 2,17 bilhões. Em agosto, o grupo Ultra e a Chevron anunciaram uma associação no segmento de lubrificantes, fortalecendo um novo ramo de negócios.

O comando da holding do grupo Ultra garante que segue atento a outras oportunidades, desde que gerem valor e estejam alinhadas à estratégia de seus diferentes negócios, e o balanço financeiro tem robustez suficiente para novos negócios. No fim de setembro, a dívida líquida da Ultrapar estava em R$ 5,8 bilhões, praticamente estável em relação ao endividamento apurado um ano antes (R$ 5,7 bilhões) – com alavancagem financeira de apenas 1,5 vez (dívida líquida/Ebitda). Ou seja, tem baixa alavancagem.

De janeiro a setembro, o grupo teve receita liquida de R$ 58,3 bilhões, com alta de 6% na comparação anual, enquanto o Ebitda totalizou R$ 3,1 bilhões, alta de 11%. O bom desempenho operacional contribuiu para o crescimento de 12% do lucro líquido, que atingiu R$ 14 bilhão nos nove meses. A Petrobras, anunciou no novo plano de negócios de 2017- 2021, que pretende obter mais US$ 19,5 bilhões com venda de ativos. A estatal está perto também de se desfazer da Companhia Petroquímica de Pernambuco (Petroquímica Suape) e da Companhia integrada Têxtil de Pernambuco (Citepe) para a mexicana Alpek. No fim de julho foi fixado prazo de Go dias para negociações exclusivas, prorrogado em 30 dias. No início deste mês, a estatal informou que as tratativas estavam em “estágio avançado”.

http://www.valor.com.br/ 17/11/2016

Termo de break-up fee
16 nov 2016

👀Ultrapar (UGPA3): Na coluna da jornalista Sonia Racy: O Grupo Ultra está muito próximo de comprar a Liquigás, pertencente à Petrobras. Dúvida cruel: terá problemas com o Cade por causa de concentração de mercado? Se tiver, a estatal do petróleo estará resguardada. Todos interessados em comprar a empresa de gás assinaram um termo de “break-up fee”, segundo coluna Direto da Fonte. O que é isso? Trata-se de uma multa caso o comprador tenha que voltar atrás.

Rico Matinal – Voltando do feriado cheio de expectativas

O que é um ‘Breakup Fee’

A taxa de rompimento é uma taxa comum usado na aquisição acordos se o vendedor desiste de um acordo para vender para o comprador. Uma taxa de separação, ou taxa de rescisão, é necessária para compensar o comprador em potencial para o tempo e os recursos utilizados para facilitar o negócio. Taxas de cisão são normalmente 1-3% do valor do negócio. – www.investopedia.com

Compartilhamento
Share Button

Outras notícias

COMUNICADO UTILIDADE PÚBLICA: Aumentos sucessivos ... A cada dia uma nova notícia do aumento do gás, o tradicional botijão de gás está saindo da categoria de utilidade pública e se tornando um produto de ...
ALERTA FISCALIZAÇÃO TRANSITO Já está ocorrendo em vários Estados, Campanhas que tem como principal proposta para a sociedade, a Educação no Transito, considerando os registros d...
Petrobras comunica fim do subsídio do GLP Belo Horizonte, 10 de março de 2017 Ao Exmo. Presidente da República Tribunal de Contas da União – TCU Ministério Minas e Energia – MME Conse...

Rua Manoel Passos, 430 - Santa Cruz
CEP 31150-470 - Belo Horizonte | MG

 

Copyright © 2016 - SIRTGAS.

Todos os direitos reservados.